Conheça a Família Filgueiras A Família
Filgueiras
As Origens da Família Filgueiras As Origens
Árvore Genealógica da Família Filgueiras Árvore
Genealógica
Album de Fotografias da Família Filgueiras Album de
Fotografias
Localização de Cidades e Municípios citados neste Site Mapas e
Localidades

Minha Família

(Pais, Irmãos, Sobrinhos e Avós)
por FILGUEIRAS, Philomena. 1990
Elias Gonçalves Filgueiras e Philomena Barros Filgueiras em 18 de Agosto de 1895
(pais de Alfredo Gonçalves Filgueiras)

Papai

Alfredo Gonçalves Filgueiras - filho de Elias Gonçalves Filgueiras e Philomena Barros Filgueiras - nasceu aos 23 de julho de 1872, em Rio Pardo, hoje Argirita (veja no mapa), no município de Leopoldina, Minas Gerais. Ainda criança, seu pai, desfazendo-se de sua fazenda cafeeira após a abolição do cativeiro, mudou-se para São José da Pedra Dourada (veja no mapa), localidade conhecida pelo nome Soca, e que fica pouco distante de Tombos, Faria Lemos e Carangola, onde foi administrar a Fazenda do Banco do Estado ali localizada.
Daí mudou-se para uma fazenda ao norte de Carangola, ali pelos lados da região denominada Papagaio, da qual foi administrador. Daí os filhos homens vinham a cavalo diariamente para estudar em Carangola (veja no mapa), e as filhas estudavam em casa com sua mãe. Para facilitar o estudo dos filhos, veio residir na cidade de Carangola, da qual foi agente do Correio local. Papai, rapazinho, estudava no melhor colégio local, auxiliava o pai no trabalho do Correio e iniciou-se como garçom no Hotel Central, que eu ainda conheci na esquina da Rua da Estação com a Av. 15 de novembro, hoje Dr. Pedro de Oliveira.

O princípio de seu magistério

Mudando seu professor e diretor do colégio para Varre-e-Sai (veja no mapa), estado do Rio, próximo a Natividade de Carangola, pediu a seu pai para levá-lo como seu auxiliar no colégio, sendo o seu aluno mais adiantado. Papai estava com 17 para 18 anos e ali, lecionou um ano. Foi o princípio de seu magistério. Depois de um ano deixou aí seu professor e foi para São José do Calçado (veja no mapa) onde, aos 19 anos, fundou o Colégio Filgueiras que dirigiu por toda sua vida, levando-o por diversos lugares: de Calçado foi para o Divino - MG (veja no mapa), Santa Clara - RJ, Bom Sucesso - RJ (veja no mapa) e Faria Lemos - MG (veja no mapa), finalmente Vitória - ES (veja no mapa).
"COLLEGIO FILGUEIRAS" em Divino do Carangola - Minas Gerais - 1902/1903
Este prédio depois foi sede do Grupo Escolar Estadual, depois demolido e construido outro Grupo Escolar no mesmo local.
Alfredo Gonçalves Filgueiras e Maria Martins Filgueiras com seus filhos (início de 1922)
Aos fundo, da esq. para dir.: Nenzinha, Conceição, Abílio, Crisanto, Zezé (José), Chiquinho
À esq.: Cássia e Jonas
À dir.: Josué
Entre os pais: Silas
Ao colo: Emílio
Obs.: já falecidos Carmen e Elias

Sua primeira esposa

Casou-se em São José do Calçado, em junho de 1895, com Maria Augusta Martins Pacheco, filha de Francisco Martins Pacheco e Emília Nunes Pacheco, passando a assinar Maria Martins Filgueiras e era apelidada de "Maninha", nascida aos 5 de maio de 1879, tendo se casado aos 16 anos incompletos.

Seu colégio, seus filhos

Nasceu-lhes a primeira filha - Conceição - a 8 de dezembro de 1896. Depois veio Francisco em 3 de novembro de 1898. José a 13 de janeiro de 1900. Crisanto a 25 de outubro de 1901. Estes 4 primeiros nasceram em Calçado. Quando Crisanto estava com 6 meses de idade, a família mudou-se para Divino do Carangola, onde continuou o Colégio Filgueiras.
Aí nasceram Abílio aos 17 de julho de 1903, Philomena (Nenzinha) aos 4 de setembro de 1905, no arraial do Divino, município de Santa Luzia do Carangola, hoje Divino é cidade. Quando Philomena estava com mais ou menos 18 meses, a família mudou-se para a Fazenda do Sr. João Frossard, onde Papai continuou o Colégio.
Nesta fazenda, nasceram Carmen aos 31 de agosto de 1907 e falecida aos 4 de janeiro de 1909; Jonas aos 13 de agosto de 1909. Houve então nova mudança da família, dentro das férias do Colégio, de 1909 para 1910, para Santa Clara, estado do Rio de Janeiro (veja no mapa), onde nasceu Cássia aos 11 de agosto de 1911.
Daí Papai levou o Colégio para Bom Sucesso, também estado do Rio, pertencente ao município de Natividade (veja no mapa), e que ficava mais próximo de Tombos (veja no mapa), onde Papai recebia a correspondência. Na Fazenda do Sr. Hipólito Neves, Papai instalou o Colégio Filgueiras, com internato e externato, onde fiz meu 1º ano primário com 6 para 7 anos. Aí nasceu o Josué aos 16 de agosto de 1914.
Em janeiro de 1915, procurando Papai melhor situação para o Colégio, transferiu-o para Faria Lemos, Minas Gerais, onde nasceu Silas a 20 de agosto de 1917, Elias a 5 de janeiro de 1919 (e faleceu no mesmo ano a 20 de novembro, com 10 meses de idade) e o Emílio a 11 de novembro de 1921. Estava o Emílio com 23 meses quando Mamãe faleceu a 7 de outubro de 1923, no Rio, onde se achava em tratamento de saúde.
Alfredo Gonçalves Filgueiras com 8 de seus netos (31 de Jan. de 1942)
Mariettinha, Francisco, Joaz, Elza, Alfredinho, Sarah, Jonas e Luiz Carlos

Sua segunda esposa

Em janeiro de 1926, Papai contraiu 2º matrimônio com Alzira Vieira, nascendo Maria aos 14 de julho de 1928 e Paulo a 21 de janeiro de 1930.
Alfredo Gonçalves Filgueiras e Alzira Filgueiras (2º Matrimônio)

A Escola Superior de Comércio de Vitória

Em fevereiro de 1932, Papai transferiu o Colégio Filgueiras, no qual já se achava oficializado o Curso Comercial, para Vitória - Espírito Santo (veja no mapa), passando o Curso Comercial a denominar-se Escola Superior de Comércio de Vitória, formando-se aí neste 1º ano em Vitória a 1ª turma iniciada em Faria Lemos, constituída dos seguintes formandos:
Academia de Comércio de Vitória - ES (Colégio Filgueiras)
Ao alto da Av. Capixaba, tendo em baixo a Capitania dos Portos (à direita) e residências.
A subida para a Escola era antes desta ultima casa à esquerda.
Philomena (Nenzinha) no Instituto Nacional do Livro, em sua mesa de Trabalho (1965)

No decorrer de suas vidas

Durante algum tempo a direção da Escola Superior de Comércio e do Colégio Filgueiras esteve sob a direção do Josué, tendo se afastado para descanso Papai que passou a residir em Paul. Em 1941 Papai retomou a direção e Josué e eu (Philomena - Nenzinha) fomos para o Rio: Josué foi lecionar no Colégio Leopoldo, em Nova Iguaçu, e eu me ingressei na Faculdade de Letras da Universidade do Brasil. Concluí o curso de Letras-clássicas em 1944. Silas, que em 1941 já se achava na Faculdade de Medicina na Praia Vermelha, formou-se, se não me engano, em 1943 e Crisanto diplomou-se também em "Letras clássicas", creio, em 1941, e em Ciências jurídicas em 1943. Trabalhamos juntos no Instituto Nacional do Livro, até sua aposentadoria em 1967, onde era chefe da Seção de Publicações; eu me aposentei em 1975, no Departamento de Assuntos Culturais (DAC) no cargo de "Técnico em Assuntos Culturais"; Josué fundou o Colégio Filgueiras em Nilópolis (veja no mapa), Estado do Rio, onde também lecionei dois anos - 1945 e 1946, voltando para o Rio em 1947, lecionando pela manhã em vários colégios e ingressei à tarde no Instituto Nacional do Livro.

Papai e filhos já falecidos

Papai veio para o Rio em 1949, residindo na Rua do Senado, 236 e faleceu em 8 de abril de 1962, faltando-lhe 3 meses e pouco para completar 90 anos, no Hospital da Beneficência Portuguesa, Rio, e sepultado no Irajá.
Conceição faleceu em 1963 (10 de maio) em casa de sua filha Sara. Chiquinho faleceu em sua residência à Rua Costa Pereira, 90 - Cachoeiro de Itapemirim - ES (veja no mapa) em 30/12/65; Jonas faleceu em sua residência em Muqui - ES (veja no mapa) a 02/04/77. Crisanto faleceu no Hospital da Ordem 3ª da Penitência a 05/11/78, Rio; Zezé em 09/04/80 no Hospital Evangélico de Carangola e sepultado no Divino; Cássia faleceu a 30/07/87 no Hospital São José, Vitória. Ficou sepultada nesta cidade no Bairro Santo Antônio, onde está enterrado seu esposo: Odilon Duarte.
Irmãos vivos em 06 de Setembro de 1980, comemorando os 75 anos de Nenzinha
Emílio, Silas, Abílio, Josué, Cássia e Philomena (Nenzinha)



Veja também as notícias da família da Mamãe (nossos tios e avós maternos) e da família do Papai (nossos tios e avós paternos)



por FILGUEIRAS, Philomena.
Rio de Janeiro, 21 de junho de 1990



Desonvolvido por:
Logo Loovus
http://www.familia.filgueiras.nom.br
© 1999- Família Filgueiras - Memórias de Família